Publicações

A CONSTELAÇÃO FAMILIAR É SISTÊMICA?

Sueli Marino

Doutora em Psicologia Social (PUC-SP)

Mestre em Psicologia Clínica (PUC-SP)

Especialista em Terapia Familiar e de Casal (PUC-SP)

NUPRAD – PUC SP / NUFAC – PUC SP

São Paulo, SP – Brasil / sueli@suelimarino.com.br

 

Rosa Maria S. Macedo

Professora Emérita da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)

Coordenadora do Núcleo de Estudos e Pesquisa: Família e Comunidade do PEPG em Psicologia Clínica (NUFAC)

Coordenadora dos Cursos de Especialização em Psicoterapia e Orientação Familiar e de Mediação: Resolução Pacífica de Conflitos. Líder do GT da ANPEPP: Família e Comunidade. Fundadora da ABRATEF.

São Paulo, SP – Brasil  / romacedo@pucsp.br

 

 

RESUMO: A Constelação Familiar de Bert Hellinger é ensinada como uma prática sistêmica empregada em contextos terapêuticos e organizacionais e como uma especialidade do Direito Sistêmico no judiciário. O objetivo deste artigo é analisar e compreender os principais pressupostos teóricos da Constelação Familiar comparando-os com os do Pensamento Sistêmico Novo-Paradigmático, a fim de ratificar ou apontar as divergências entre eles.  A análise efetuada nos levou a concluir que a Constelação Familiar não pode ser considerada uma prática sistêmica, mas sim uma técnica baseada nos princípios epistemológicos da ciência moderna.

PALAVRAS-CHAVE: Constelação Familiar, Terapia Familiar Sistêmica, Pensamento Sistêmico, Família.

 

Confira o artigo completo em https://www.revistanps.com.br/nps/article/view/441/355

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *